Bem-vindos à Igreja Evangélica Comunidade Encontros com Jesus

63 - O SERMÃO DO MONTE - parte 13

Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e quem matar estará sujeito a julgamento. 

Eu, porém, vos digo que qualquer que, sem motivo, se encolerizar contra seu irmão, será sujeito a julgamento; e qualquer que disser a seu irmão: Raca, estará sujeito a sinédrio. Mas quem disser: Tolo! Estará sujeito ao fogo do inferno. 

Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,

Deixa diante do altar a tua oferta, e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão e; depois vem, e apresenta a tua oferta. Reconcilia-te depressa com o teu adversário (juízes de Israel), enquanto estás com ele a caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, o juiz ao oficial de justiça, e te recolham à prisão.

Em verdade te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último centavo.” - Mateus 5:21-26

Introdução

     Tendo assim definido a Sua atitude para com a lei, e tendo anunciado que Ele viera para cumpri-la e tendo advertido Seus ouvintes que eles precisavam tomar consciência do que isso significava precisamente, nosso Senhor prosseguiu, conforme vemos aqui, a fim de oferecer-nos essas ilustrações práticas. Ele nos apresenta seis contrastes, cada um dos quais foi introduzido mediante a fórmula que diz: “Ouvistes que foi dito aos antigos... eu, porém, vos digo...” Passemos, pois, a considerar o primeiro desses exemplos.

     Os fariseus e os escribas sempre foram culpados de reduzir o sentido e até mesmo os requisitos da lei, e, quanto a isso, temos aqui uma perfeita ilustração. Jesus disse: “Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e: Quem matar estará sujeito a julgamento.”(v. 21) É de grande importância que ventilemos esse ponto da maneira correta. “Não matarás” é um dos Dez Mandamentos, e se os fariseus chegassem a ensinar sobre esse mandamento, não estariam, sem dúvida, ensinando a lei? Essas palavras estão no trecho de Números 35:30-31. 

     É que eles juntavam essas duas passagens, de tal modo que reduziam o sentido desse mandamento, “Não matarás”, como se o mesmo envolvesse apenas um caso de assassinato concreto. Adicionando imediatamente aquela segunda porção, à primeira, eles haviam debilitado toda essa injunção divina. O que eles faziam de errado é que reduziam e confinavam as sanções às quais essa proibição estava associada, a uma mera punição às mãos dos magistrados civis. “Quem matar estará sujeito a julgamento.” Nesse caso, “julgamento” indicava apenas o juízo baixado por algum tribunal local. 

     Eles meramente ensinavam: “Você não deve cometer homicídio, porque, se o fizer, correrá o risco de ser castigado por um magistrado civil.” Essa era a plena e completa interpretação daquele grande mandamento, que diz: “Não matarás.” Em outras palavras, os fariseus tinham despido esse mandamento do seu verdadeiro e grandioso conteúdo, reduzindo-o meramente a uma questão de homicídio literal. Outrossim, eles nunca mencionavam o juízo divino.

     Somente o julgamento em algum tribunal local parecia ter importância aos olhos deles. Tinham reduzido tudo a uma questão legal, a uma questão da mera letra da lei, como se esta apenas dissesse: “Se você matar, sofrerá determinadas consequências.” 

     Os fariseus e os escribas se sentiam perfeitamente tranquilos acerca da lei, no tocante a esse particular, conquanto não se tornassem culpados de homicídio real. Naturalmente, cometer homicídio era, para eles, um crime horrendo, pois se alguns deles chegassem a cometer tal crime, seriam intimados a comparecer diante de um tribunal, o qual o sentenciaria a um castigo equivalente ao crime. Porém, enquanto um deles não cometesse um homicídio literal, tudo lhe correria bem, e podia encarar com tranquilidade e controle pessoal a cerca do mandamento que determina, “não matarás”, como também podia pensar: “Tenho observado e cumprido a lei de modo perfeito”.

     Mas nosso Senhor como que recusou a isso: “Não e não. É justamente nesse ponto que vocês podem perceber que o conceito inteiro da justiça e da lei, consoante com o ensino desses escribas e fariseus, se tem transformado em total imitação da lei. Eles reduziram a lei de tal maneira, confinando-a dentro das limitações que eles mesmos criaram, que, na realidade, não dispomos mais da lei de Deus nessa interpretação.

     Tal interpretação não corresponde à verdadeira exposição que Deus tinha em mente, ao promulgar esse mandamento. De maneira simples e mui conveniente eles o reduziram em suas proporções, abrandando seus requisitos, e ficaram contentes diante do resultado. “E é desse modo que eles agora asseveram haver cumprido a lei de maneira perfeita” (nossa realidade evangélica atual também).

     Já vimos que encontramos aqui um daqueles princípios normativos que nos capacitam a compreender quão falsa é essa interpretação da lei, da qual os fariseus e os escribas se haviam tornado culpados. E procuramos salientar aqui que essa é uma tendência da qual, algumas vezes, também nós temos tornado culpados. É possível concebermos a lei de Deus conforme a encontramos nas Escrituras, mas, ao mesmo tempo, defini-la e interpretá-la de tal modo que a transformemos em algo que possamos observar com extrema facilidade, porque só a estamos obedecendo negativamente.

     E assim podemos chegar a persuadir-nos de que tudo está indo bem conosco. O apóstolo Paulo, conforme já tivemos ocasião de notar, em resultado desse exato processo de redução, antes de converter-se pensara que vinha cumprindo a lei perfeitamente. O jovem rico julgava que havia cumprido a lei, porquanto, de igual modo, assim fora instruído e cria nessa mesma falsa interpretação.

     E enquanto você e eu aceitarmos a letra da lei, mas nos esquecermos do espírito da lei (as palavras que eu vos disse são espírito e vida) João 6:63b, do seu conteúdo e de seu sentido, poderemos enganar-nos a nós mesmos, persuadindo-nos de que somos considerados perfeitamente justos aos olhos da lei. (João 16:2,3)

     Jesus exprimiu o Seu ponto de vista e a Sua exposição, de acordo com três claras divisões, que passamos a considerar. 

     A primeira declaração: é que o que importa não é meramente a letra da lei, mas o seu espírito. A lei diz: “Não matarás”; mas isso não significa apenas “Não cometerás homicídio” (vai mais fundo que isso, pois o homicídio fere a santidade de Deus – lembra-se do caso de Caim e Abel!). Interpretar essa exposição de maneira tão limitada é meramente definir a lei de tal modo que somos capacitados a imaginar que podemos escapar dela. No entanto, podemos ser culpados, da maneira mais grave possível, de termos desobedecido a esse mandamento. Nosso Senhor, pois, passou a esclarecer como isso pode ser. Esse mandamento, disse Jesus, inclui não somente o homicídio físico literal, mas também a ira sem motivo, guardada no coração, contra algum irmão. Assim, a verdadeira maneira de compreender esse mandamento que diz. “Não matarás”, é a seguinte: “Quem quer que se encolerize contra seu irmão, sem qualquer causa justa, corre o perigo de ficar sujeito a julgamento”. 

     Na antiga lei, transmitida por meio de Moisés, havia todo esse conteúdo espiritual. A tragédia do povo israelita é que eles perderam de vista esse conteúdo espiritual. Não devemos imaginar, portanto, que, como crentes que somos, estamos desvinculados da legislação mosaica. Não, mas a antiga lei determinava que não cultuássemos a ira sem motivo justo, em nossos corações contra algum irmão. Para nós, que somos crentes, tolerarmos a ira em nossos corações, de acordo com nosso Senhor Jesus Cristo, é tornar-nos culpado de algo que, à vista de Deus, equivale ao homicídio. Odiar, nutrir ressentimento, ter esse sentimento desagradável e maligno para com outra pessoa, sem qualquer motivo, é idêntico ao homicídio. (Levítico 19:17,18) 

     Mas isso não é tudo. Não somente não deveríamos deixar-nos arrastar por essa ira sem causa; mas também jamais nós deveríamos tornar culpados de expressões que manifestem desprezo. “ ...e qualquer que disser a seu irmão: Raca, será réu do Sinédrio” (Mateus 5:22). Ora, “Raca” significa “sujeito indigno”. Tal vocábulo era empregado para indicar desprezo por alguém; e dessa atitude, infelizmente, todos estamos cônscios, em nosso coração e espírito. Dirigir um insulto desses contra um irmão, chamando-o de “Raca”, ou “sujeito indigno”, conforme explica o Senhor, é algo terrível aos olhos de Deus. E você já limpou seu coração a cerca disso? Em relação aos filhos, pais, funcionários, patrões, educadores e etc.

     O desprezo ao máximo, que é um sentimento de zombaria ou escárnio, é a atitude que acaba levando uma pessoa a cometer homicídio. Talvez tenhamos vários motivos para não permitirmos que tal atitude determine expressando-se na forma de homicídio literal. Infelizmente, porém, por muitas e muitas vezes nós temos assassinado uns aos outros, em nossos corações e em nossas mentes, não é verdade?

OBS.: O assassínio não envolve somente a destruição da vida física de outra pessoa, mas também envolve a tentativa da destruição de sua alma e espírito, derrotando aquela outra pessoa de alguma maneira.

     A segunda declaração diz: Nossa atitude não deve ser negativa e, sim, positiva. Nosso Senhor coloca a questão com as palavras seguintes. Tendo enfatizado o aspecto negativo, Ele passa a considerar o lado positivo dizendo: “Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e então, voltando, faze a tua oferta”. (Mateus 5:23,24). Essa é uma das declarações das mais significativas e importantes. Não somente contém que abriguemos pensamentos homicidas e malignos em nossos corações, contra outras pessoas, mas também o mandamento que nos proíbe de matar realmente indica que deveríamos tomar passos positivos para nos reconciliarmos com nossos irmãos.

     O grande perigo é que estaquemos naquilo que é apenas negativo, e então sintamos que, enquanto não tivermos cometido homicídio literal, tudo estará correndo bem conosco. Porém, há um segundo estágio que facilmente esquecemos. E pensamos: “Muito bem, não devo cometer homicídio literal, e não devo dizer coisas insultuosas a meu próximo. Devo guardar os meus lábios, e, embora um pensamento mau me suba à mente, não devo expressá-lo sob a forma de palavras.” (Gênesis 4:6,7). Nesse ponto, tendemos por parar, e então pensar: “Enquanto eu não disser algum insulto, tudo irá bem comigo”.

     Nosso Senhor ensinou que não podemos nem mesmo parar aí, pois nem ao menos podemos abrigar pensamentos e sentimentos adversos no coração. Todavia, é por essa altura que muitos param. No momento em que esses horríveis e indignos pensamentos tendem por subir aos seus corações, transferem seus pensamentos para algo positivo e correto. Tal atitude esta certa, contanto que não estaquemos nesse ponto. 

     Devemos não somente reprimir esses pensamentos maldosos e indignos, ensina-nos Cristo; mas compre-nos fazer ainda mais do que isso. Estamos na obrigação de dar os passos necessários para remover a causa da dificuldade. Precisamos ter por meta um alvo positivo. Precisamos chegar ao estágio em que nada reste de errado, no nível do Espírito, do nosso Espírito e no espírito do nosso irmão.

     Nosso Senhor reforçou o ponto lembrando-nos, nos versículos 23 e 24, acerca de um perigo extremamente sutil que nos ameaça a vida espiritual, o terrível perigo de tentarmos fazer expiação por nossa falha, equilibrando o mal com o bem. Penso que todos sabemos do que se trata; todos precisamos declarar-nos culpados dessa manobra astuciosa. O perigo é o de fazermos certos sacrifícios cerimoniais na tentativa de encobrir alguma falta moral.

     Os fariseus eram muito hábeis nessa manobra. Frequentavam o templo com regularidade; eram sempre minuciosos quanto a essas questões de detalhes e pormenores da lei. Porém, o tempo todo julgavam e condenavam ao próximo com o desprezo que lhe votavam. Evitavam qualquer despertamento da própria consciência, pensando: “Afinal de contas, estou adorando a Deus; estou oferecendo minha oferta sobre o altar”. Posso afirmar que todos sabemos como funciona essa tendência de não enfrentarmos diretamente a convicção que o Espírito Santo produz em nossos corações.

     Se eu, na presença de Deus, enquanto procuro adorar ativamente ao Senhor, reconhecer que no meu coração oculta-se um pecado do qual ainda não tratei e nem confessei, então meu ato de adoração será vão. Não haverá nele valor nenhum. Se você estiver consciente de que está em inimizade com alguém, se você não está dirigindo a palavra a algum irmão, ou se você está tolerando pensamentos indignos contra alguém, servindo-lhe de obstáculo e empecilho, então a palavra de Deus assegura que qualquer tentativa de adoração que você fizer não terá qualquer valor. Tal tentativa de nada adiantará, pois o Senhor não ouvirá. Ou então consideremos aquilo que se lê em I João 3:20: “...pois, se o nosso coração nos acusar certamente Deus é maior do que o nosso coração, e conhece todas as coisas.”

Nota: Não há utilidade e nem propósito em orarmos ao Senhor quando sabemos que nossos próprios corações estão em erro contra algum irmão.      

     É impossível para Deus ter qualquer contato com o pecado e a iniquidade. Deus é de tal maneira santo que nem ao menos pode contemplar a iniquidade. De acordo com nosso Senhor, essa é questão de mais vital importância, sendo preferível que o indivíduo interrompa a sua oração, deixando Deus a esperar pela oferta, por isso dizer. Portanto, primeiramente cumpre-nos endireitar nosso caminho; não podemos estar bem com Deus enquanto estivermos cometendo injustiça contra nosso semelhante.

     “Eis que obedecer é melhor do que sacrificar”. Isso posto, deixe por aí mesma a sua oferta (adoração e culto), apresse-se e endireite as coisas com seu irmão; livre-se desse obstáculo. Somente depois disso você poderá voltar ao altar das ofertas. Então, e somente então, a sua adoração terá valor. “O obedecer é melhor do que sacrificar, e o atender melhor do que a gordura de carneiro. (I Samuel 15:9,19-23)

     Terceira declaração básico: Quão urgente é tudo isso, em face de nosso relacionamento com Deus. (Mateus 5:25,26). É como se Cristo tivesse dito: “Sim, a questão é tão urgente e desesperadora quanto isso. Você deve agir prontamente, sem demorar um único instante, pois essa é a sua situação”. Foi essa a maneira de Cristo dizer que nunca nos deveríamos esquecer de nossa relação com Deus. Não nos convém pensar apenas em termos dos nossos irmãos, a quem talvez tenhamos ofendido, ou com quem talvez tenham alguma questão pendente; mas também devemos pensar em nós mesmos com quem está na presença de Deus. 

     Deus é o juiz; Deus é o Justificador (Deus é contrário a tudo e a todos que desobedecem a sua lei). Ele está perenemente impondo-nos essas condições, e Ele brande o cetro de autoridade sobre o tribunal dos céus e da terra. Ele é o Juiz; e as suas leis têm caráter absoluto, podendo cobrar de nós até o último centavo da nossa divina moral.

     Portanto, que deveríamos fazer? Deveríamos entrar imediatamente em acordo com Deus. Cristo assevera aqui que estamos “a caminho”. Encontramo-nos neste mundo, encontramo-nos nesta vida, por assim dizer caminhando ao longo da estrada. Mas eis que, de repente, surge o nosso adversário, (Êxodo 4:24-26) o qual diz: “E quanto àquela sua dívida? Pois bem, Cristo ensina que se deve entrar em acordo imediatamente, sob pena do processo legal ter início, quando então nos será cobrado até o último centavo. Lembra do Vale de Jaboque? Quando Jacó lutou com o anjo, e Deus o mudou em uma nova pessoa, pois só a bênção servia para ele, quando encontrasse com o seu irmão. (Gênesis 32:22-31)

     Quer dizer sobre a relação entre você e seu irmão, e que dizer sobre aquelas coisas más que estão arraigadas em seu coração? Você não tem dado a devida atenção a elas. Corrija prontamente essa situação, recomenda Cristo. Faça a restituição. Talvez você não esteja mais vivendo neste mundo, amanhã de manhã, e então você estará indo para a eternidade nessa situação embaraçosa (sem conserto, descumprindo a lei). “Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás com ele a caminho...” (vivendo a vida)

     Temos consciência da condenação por ela (a lei) determinada? Que dizer acerca das coisas que temos pensado e dito, das coisas que temos praticado? Temos consciência de tudo isso – da total condenação envolvidas nessas atitudes? Deus nos está impondo exigências, através da sua lei. Agradeço ao Senhor pela exposição através da qual Ele nos ordena agir prontamente, enquanto ainda estamos a caminho. Graças a Deus, as suas condições são bastante fáceis. Essas condições estabelecem que eu devo enfrentar e reconhecer o meu pecado de modo total e absoluto, que eu ponha paradeiro a qualquer tentativa de autodefesa, de autojusticação, embora aquela outra pessoa talvez me tenha provocado ao revide.

     Tão somente precisamos confessar e admitir diante de Deus, sem qualquer reservas, os nossos erros. Se houver qualquer coisa que eu possa fazer na prática, quanto a esses erros, preciso providenciar sem tardar. Preciso humilhar-me, preciso tornar-me, por assim dizer, manso para fazer tudo quanto possível com o intuito de remover a barreira e os obstáculos.

     Somente então Deus me dirá que está tudo passado. É como se Deus viesse a dizer-me: “Endireitarei as coisas com você, e, de fato, perdoarei todos os pecados, embora você seja culpado como notável pecador diante de meus olhos.” E quanto à conta de sua dívida para Comigo, a qual você jamais poderia saldar, enviei Meu Filho ao mundo para que Ele a pagasse em seu lugar.

     Cristo cancelou inteiramente a sua dívida (Romanos 8:1,2). Ele não fez isso porque você é uma pessoa amável, gentil e boa. Ele não fez isso em seu benefício porque você fez algo por Mim. Foi enquanto você ainda era um inimigo, odioso em si mesmo, odiando a Mim e odiando o próximo (Romanos 5:8). Foi a despeito de toda essa imundícia e indignidade que enviei Meu Filho. E ele veio deliberadamente e deu-Se a si mesmo até a morte.

     “É por causa disso que eu perdoo a você de modo completo, gratuito e absoluto”. Graças podemos dar a Deus por essas condições tão favoráveis em prol de pecadores imundos e derrotados que somos. Essas são as condições impostas: arrependimento e confissão de pecado os mais absolutos, independente de tudo quanto pudermos fazer no que concerne à restituição; bem como o reconhecimento de que estamos perdoados exclusivamente em face da graça divina, manifesta claramente no auto-sacrifício amoroso e dedicado do Filho de Deus sobre a cruz do Calvário. 

     Chegue o discípulo a um acordo imediato com o seu adversário (lei – Deus). Não demore. Se porventura você se convencer de alguma falta neste instante, venha, deixe sobre o altar a sua oferta, corra e endireite as coisas. 

“Entra em acordo sem demora com o teu adversário (lei – Deus), enquanto estás com ele a caminho.” – na vida.

Restruturado e reformulado, para uso interno da

Igreja Evangélica Comunidade Encontros Com Jesus.

No amor em Cristo,

Pr. Dalton Ramos

 

Versículo do Dia

Pv 24:3

"Com a sabedoria se edifica a casa, e com o entendimento ela se estabelece; "



by Estudo Bíblico

Família do Reino de Deus

130 - ORAÇÃO INTERCESSÓRIA PELA IGREJA PERSEGUIDA EVANGÉLICOS NO PAÍS DE ERITRÉIA

     Confirmado o lugar onde estão cristãos presos      Pelo menos 2 dos 10 cristãos que foram presos na semana retrasada estão sendo mantidos na delegacia número 7 de...

97 - PEDIDO DE AMOR

     "Quando é o seu coração que pede, saiba que você já foi atendido mesmo antes de fazer o pedido."      Havia uma linda princesa chamada Noa. Todos os...

154 - POR QUE COISAS MÁS ACONTECEM COM PESSOAS BOAS? - POR QUE PESSOAS BOAS PASSAM POR SOFRIMENTOS NA VIDA?

      Você com certeza já deve ter se feito tais perguntas. Isso com certeza já deve ter passado por sua mente ao ver alguém que não merecia sofrendo, ou...

66 - O TEMPO DE DEUS

     Um excelente nadador tinha o costume de correr até a água e de molhar somente o dedão do pé antes de qualquer mergulho. Algum intrigado com aquele comportamento...

102 - A ESTÓRIA DO LÁPIS

     O menino olhava a avó escrevendo uma carta. A certa altura, perguntou: Você escreve uma história que aconteceu conosco? E por acaso, é uma história sobre mim? A...