Bem-vindos à Igreja Evangélica Comunidade Encontros com Jesus

56 - O SERMÃO DO MONTE - parte 5

 

"Bem-aventurados os misericordiosos, pois obterão misericórdia" (Mateus 5:7)

 INTRODUÇÃO

       Misericórdia é uma característica pessoal que se expressa pelo cuidado para com as necessidades dos outros. O conceito bíblico de misericórdia sempre envolve ajuda a aqueles que estão em necessidade ou aflição. Tal ajuda cobre todas as áreas de nossa vida.

       Misericórdia tem a ideia de compaixão, piedade, bondade, perdão e até mesmo graça. Onde há misericórdia, há graça e onde há graça não falta misericórdia.

A Misericórdia de Deus

       A misericórdia de Deus é semelhante ao relacionamento de um pai para com seu filho – Salmo 103:13; Isaías 63:15,16; Jeremias 31:20 – a de um esposo apaixonado por sua esposa – Isaías 54:6-8; Oséias 2:19 – até mesmo mais profundo do que o amor de uma mãe por seu filho recém-nascido – Isaías 49:15.

       A misericórdia de Deus é mais do que simplesmente um sentimento, é ação. Sua misericórdia é vista no ato da escolha de Israel como seu povo – Deuteronômio 7:9 – e no cuidado deste povo no deserto – Neemias 9:19.

       A misericórdia de Deus é revelada àqueles que confessam seus pecados – Provérbios 28:13 – sua misericórdia é fonte de vida e alegria – Salmo 103:3-4. A misericórdia do Senhor não tem fim e renovam-se a cada manhã – Lamentações 3:22-23.

       No novo testamento a misericórdia do Senhor é revelada a multidão que andava errante e desgarrada, como ovelhas que não tem pastor – Mateus 9:36; 14:14; 15:32 – ao homem cego a beira do caminho – Mateus 20:34 – ao homem leproso alienado da sociedade – Marcos 1:41 – a criança que vivia oprimida por satanás – Marcos 9:26-27 – a viúva que chorava a morte de seu único filho – Lucas 7:13.

Discípulos da Misericórdia 

       Jesus em sua vida e palavra, põe toda a sua ênfase sobre a questão do SER, e não sobre a questão do FAZER. O Senhor Jesus dá muito maior importância às nossas atitudes do que às nossas ideias sentimentais. Logo de início, Jesus frisa primordialmente aquilo que você e eu somos na essência, e não aquilo que possamos realizar.

       O discípulo tem que ser discípulo, antes de fazer qualquer coisa; e assim, precisamos ser discípulos, antes de podermos agir como discípulos.

       Ora, essa é uma verdade fundamental. Ser é mais importante do que fazer, e as atitudes são mais importantes do que as ideias de práticas. Primariamente, o que importa é o nosso caráter essencial.

       Não fomos convocados como discípulos, para sermos ou tentarmos ser discípulos em certos aspectos. Asseguro que ser discípulo é possuir determinado caráter, e, portanto, é ser um certo tipo de pessoa totalmente transformada. Somos discípulos de Jesus Cristo, e as nossas ações são resultantes desse fato.

       Para que possa ser um verdadeiro discípulo, preciso tomar o ensinamento de Jesus e aplicá-lo. Não foi assim que Ele mesmo ensinou. Antes, a ideia é que a vida de Cristo em mim precisa controlar-me: é mister que eu seja governado pela verdade, visto que a operação do Espirito Santo em meu íntimo tornou-me filho de Deus - João 1:12; Gálatas 2:20.

       A fé cristã não é algo que se manifeste à superfície da vida de uma pessoa, não é meramente uma espécie da camada de verniz. NÃO, mas é algo que está sucedendo no âmago mesmo de sua personalidade.

       A fé cristã é algo que acontece em uma pessoa no próprio cerne da sua existência; e esse algo passa então a controlar todos os pensamentos, toda a perspectiva do seu ser, toda a sua imaginação, e, em resultado disso, até mesmo todos os seus atos. Todas as nossas atividades, portanto, resultam dessa nova natureza, dessa nova disposição que recebemos da parte de Deus, através do Espírito Santo.

       Essas bem-aventuranças são tão perscrutadoras. Por assim dizer, elas nos afirmam que, ao vivermos a nossa vida diária, o tempo todo estaremos proclamando exatamente aquilo que somos.

Somos Misericordiosos? O que é misericórdia?

       Penso que a melhor maneira de abordarmos esse ponto seja comparando a misericórdia com a graça. Pois a graça é especialmente vinculada às pessoas, em seus pecados; mas a misericórdia é especialmente associada às pessoas, em sua miséria.

       Em outras palavras, enquanto a graça é condescendente diante da questão do pecado como um todo, a misericórdia contempla especialmente as miseráveis consequências do pecado. Isso posto, a misericórdia realmente aponta para um senso de compaixão, de parceria com o desejo de aliviar os sofrimentos.

       Esse é o sentido especial da qualidade da misericórdia: dó de parceria com a ação. Assim sendo, o discípulo é alguém dotado do senso da piedade. A sua preocupação com a miséria sofrida por homens e mulheres produz nele o intenso desejo de aliviá-lo.

      OBS.: A maneira de você saber se é uma pessoa misericordiosa ou não, consiste em considerar como você se sente e reage para com uma pessoa que lhe ofende. Sua reação é de misericórdia ou de revolta, vingança! Pense!

       Poderíamos descrever a misericórdia como uma simpatia interna acompanhada de atos externos em relação às tristezas e sofrimentos do próximo. A grande ilustração oferecida pelo Novo Testamento a respeito da misericórdia é a parábola do bom samaritano – Lucas 10:25-37.

       Note bem, tanto o levita, quanto o sacerdote, talvez sentisse compaixão, dó, mas nada tinham feito para socorrer a vítima. Mas repara que o samaritano, ele não só encheu-se de pena pela vítima, mas também deixou o seu próprio sossego, cuidou dos ferimentos e tudo mais que a vítima precisasse – misericórdia vai além do sentimento de compaixão, e é um profundo desejo, e até mesmo ação, para que a situação aflitiva seja aliviada.

       O maior exemplo de todos de misericórdia foi da parte do Pai em enviar Jesus ao mundo. Deus viu o nosso deplorável estado, viu o nosso sofrimento, e, a despeito de sermos apenas transgressores da lei, foi a sua misericórdia que o impeliu a agir em nosso favor. Assim sendo, o filho de Deus veio e cuidou de nossa miserável situação – João 3:16.

     NOTA: Quando uma pessoa está tomado pela misericórdia divina, é por que ele tem um fruto digno de arrependimento, e isto o leva a aplicar – João 13:34-35.

       Nosso Senhor Jesus Cristo, nos ensina em todas as suas palavras, sobre perdão, misericórdia e arrependimento, que só serei verdadeiramente perdoado quando eu estiver verdadeiramente arrependido e liberar perdão a todos. Ora, estar realmente arrependido significa perceber que nada mereço senão a punição, e que, se eu chegar a ser perdoado, esse perdão dever-se-á única e exclusivamente ao amor, à graça e à misericórdia de Deus, e nada mais.

A manifestação da Misericórdia

       Minha atitude para com os meus semelhantes deve ser total e completamente mudada? Se tudo isso já aconteceu comigo, então não mais estarei enxergando as outras pessoas conforme eu costumava vê-las. Agora vejo-as através de olhos de verdadeiro discípulo, cheio de misericórdia. Pois as vejo como vítimas e escravas do pecado, de satanás, e do caminho do mundo.

       Vejo-as como pessoas controladas pelo deus deste mundo, como quem continua no lugar onde também já estive, e onde eu mesmo teria continuado se não fora a graça divina – Efésios 2:1-5. Assim considero-os não como pessoas que me causam aversão, e, sim, como pessoas de quem me devo compadecer, e suplicar com misericórdia por suas vidas.

       Tenho que ser capaz de estabelecer a diferença entre o pecador e o seu pecado. Todos aqueles que estão sujeitos ao pecado, passo então a considerar como quem é digno de compaixão e misericórdia.

       Lembra do discípulo Estevão (Atos 7:54-60), ele teve compaixão daquela gente, mostrou-se misericordioso para com eles. E essa, repito, deve ser a condição de todo aquele que é discípulo verdadeiro. Cumpre-nos sentir profunda tristeza por todos aqueles impotentes escravos do pecado. Essa deve ser a nossa atitude para com as pessoas.

       Quando as pessoas abusam de nós, desprezando-nos e prejudicando-nos, devemos mostrar-nos misericordiosos para com eles. Você já passou por algo parecido em sua experiência pessoal? Você já demonstrou compaixão pelas pessoas que, através da expressão de seus rostos, demonstravam toda a amargura e a ira que sentiam? Essas pessoas só são dignas de compaixão.

       Se sei que sou devedor somente à misericórdia divina, se entendo que sou discípulo somente por causa daquela gratuita graça de Deus, então eu não deveria permitir qualquer sentimento de orgulho pessoal, não deveria haver em mim qualquer espirito vingativo, e, sem duvida, eu não deveria ficar insistindo sobre os meus direitos.

       O homem que se apercebe verdadeiramente de sua posição diante de Deus, de seu relacionamento com Deus, é o homem que necessariamente sente compaixão por seus semelhantes.

       A operação da graça divina é tal que, quando ela se manifesta, perdoadora, em nossos corações, também nos torna misericordiosos – visto já terem obtido a misericórdia, por isso mesmo são misericordiosos.

       Mas, graças a Deus, se a graça de Cristo está em nós, se o Espírito do Senhor está em nós, se somos misericordiosos, haveremos de receber misericórdia naquele grande e esperado dia (julgamento).

       O que me torna misericordioso é a graça de Deus. A graça divina torna-me, de fato, misericordioso. Por conseguinte, tudo gira em torno desse conceito. Se ali eu não for considerado misericordioso, então é que jamais pude entender a graça e a misericórdia de Deus, é que estou fora de Cristo, e que ainda estou em meus delitos e pecados, é que ainda não fui perdoado.

CONCLUSÃO

       Você é misericordioso? Você se entristece pelo pecador, embora esse pecador o tenha ofendido? Você sente compaixão de todos aqueles que são vítimas e estão sendo iludidos pelo mundo, pela carne e pelo diabo? Esse é o grande teste – “Bem-Aventurados” – “felizes” – “abençoados” – são os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Amém – Aleluia!!!

Restruturado e reformulado, para uso interno da

Igreja Evangélica Comunidade Encontros Com Jesus.

No amor em Cristo,

Pr. Dalton Ramos

 

Versículo do Dia

Sl 84:5

"Bem-aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração estão os caminhos aplanados. "



by Estudo Bíblico

Família do Reino de Deus

3 - LIÇÕES DE VIDA

        Um homem tinha quatro filhos. Ele queria que seus filhos aprendessem a não julgar as coisas tão rapidamente. Assim, ele os enviou com uma tarefa, um a um...

102 - A ESTÓRIA DO LÁPIS

     O menino olhava a avó escrevendo uma carta. A certa altura, perguntou: Você escreve uma história que aconteceu conosco? E por acaso, é uma história sobre mim? A...

222 - FAZ DE CONTA

     Recentemente uma professora, que veio da Polônia para o Brasil ainda muito jovem, proferia uma palestra e, com muita lucidez trazia pontos importantes para reflexão dos ouvintes.    ...

214 - O FIM DO MUNDO E O NOÉ... (brasileiro)

     Um dia, o Senhor chamou Noé que morava no Brasil e ordenou-lhe:       - ANTES DE 21.12.2012, 6 meses antes, (NOVO FIM DO MUNDO) farei chover ininterruptamente durante...

178 - A FORÇA E O ÂNIMO PARA VIVER SÃO IMPRESCINDÍVEIS PARA QUEM HÁ MUITO DEIXOU DE LUTAR, SEM FORÇA E ÂNIMO DE VIVER NÃO PODEMOS CONTINUAR NOSSA JORNADA.

     Há momentos em nossas vidas que passamos por tantas dificuldades que acabamos sendo enfraquecidos pelo inimigo, que é astuto e pai da mentira, e no meio desse bombardeio...