Bem-vindos à Igreja Evangélica Comunidade Encontros com Jesus

29 - A UNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO

     Já aconteceu de você ministrar a outros e ter, no fundo, ficado em dúvida se era Deus agindo ou só você? Você tem tido oportunidades para ministrar, mas não as aproveitou por sentir-se fraco ou sem força espiritual? Você já se viu em posição de ministrar ou servir a outros e ter se sentido muito inadequado? Nessas experiências, um ingrediente chave que pode ter faltado é a unção do Espírito Santo.

     A unção do Espírito Santo é um "derramar" da presença de Deus que providencia maior sensibilidade espiritual, graça (para servir a Deus e a outros) e poder. Pode acontecer na conversão ou no batismo, mas geralmente é uma experiência posterior. Essa experiência pode ser repetida segundo a necessidade da pessoa e a soberana escolha de Deus. Traz um avivamento espiritual ao indivíduo e o libera para servir ou ministrar além de sua capacidade anterior. Muitas vezes, isso acontece quando a pessoa está sentido um certo desespero espiritual e está numa procura intensa por Deus, ou quando vai entrar em uma nova fase de ministério e precisa de poder do alto para fazer algo que está além de sua experiência e habilidade.

     O primeiro exemplo disso na Bíblia é a unção de Bezalel, Aoliabe e sua equipe para desenvolver os artífices do tabernáculo (Ex 31:1-6). "Disse também o Senhor a Moisés: Sabe o que fiz a Bezalel filho de Uri e neto de Hur, da tribo de Judá? Chamei Bezalel pelo nome e o enchi do Espírito de Deus. Dei a ele estes dons: habilidade, inteligência e conhecimento artístico para desenhar e trabalhar em ouro, em prata, em bronze. Também para preparar joias, fazer gravações em madeira, e para fazer toda espécie de trabalhos de arte. Escolhi um companheiro para Bezalel. É Aoliabe, filho de Aisamaque, da tribo de Dá. Além disso, dei a todos os que trabalham nessas coisas, capacidade especial para fazerem tudo o que mandei."

UNÇÃO OU BATISMO NO ESPÍRITO?

     Muitas pessoas preferem usar a frase "batismo no Espírito Santo" ao invés de "unção do Espírito Santo". As discussões nessa área têm sido muitas, profundas e às vezes polêmicas e conflitantes. Honestamente, estou mais interessado na realidade de ver o poder do Espírito agindo em nossas vidas do que no nome que damos a essa experiência. Quer dizer, prefiro ver irmãos ungidos, que chamam essa experiência de batismo no Espírito, do que ver irmãos não ungidos que usam outra terminologia!

     Ao mesmo tempo, existem boas razões para considerarmos o uso da frase "unção ou batismo do Espírito Santo", especialmente em relação a ser ungido para usar nossos dons ou começar uma nova equipe de ministério. Algumas dessas razões se seguem:

A) A palavra "unção ou batismo" facilita uma teologia ligada à obra do Espírito Santo tanto no Antigo como no Novo Testamento.

B) A palavra "unção ou batismo" permite ver essa ação do Espírito Santo de uma forma comum na igreja e não só ligada ao batismo de Pentecostes, ou batismo Pentecostal. Das sete passagens no Novo Testamento que falam diretamente do batismo no Espírito Santo, seis falam de Pentecostes: quatro são palavras proféticas de João Batista (Mt 3:11; Mc 1:7,8; Lc 3:16 e Jo 1:33), uma é a promessa de Jesus depois de Sua ressurreição (At 1:4,5) e a sexta recapitula os acontecimentos e experiências desse dia especial (At 11:15-17). Como o Pentecostes foi um evento singular e inédito, prefiro usar a palavra "unção ou batismo" que engloba esse evento, mas não fica limitado a ele.

C) A sétima vez que o Novo Testamento fala do batismo no Espírito Santo indica que é uma experiência comum a todo crente: “Pois em um só corpo todos nós fomos batizados em um único Espírito: quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um único Espírito" (I Co 12:13). Esse versículo indica que todo crente é batizado no Espírito. Em contraste com isso, a unção (ser cheio) do Espírito não é comum a todo crente; é algo dado de forma soberana, segundo os propósitos de Deus, refletindo muitas vezes os desejos profundos de nossos corações e uma preparação especial para servir ou ministrar a outros.

D) O batismo no Espírito Santo, seja na perspectiva pentecostal ou na histórica, acontece uma vez. A unção (o enchimento) do Espírito Santo pode acontecer repetidas vezes.

E) Muitos crentes que não experimentaram um batismo no Espírito com manifestações sobrenaturais acham que são crentes de segunda classe, inferiores, e ficam angustiados por sentir que não receberam o Espírito Santo. Minha esperança é que o uso da palavra "unção, enchimento" nos livre desse problema. Todo crente verdadeiro tem o Espírito Santo morando dentro dele (At 2:38,39; Rm 8:14-16; Ef 4:4-6), e por meio da consagração tem a habilidade de obedecer ao mandato de estar cheio do Espírito (Ef 5:18). A unção do Espírito não quer dizer que alguém é melhor ou superior. Simplesmente quer dizer que Deus, num momento específico, está dando uma graça especial para o Seu serviço.

     Em resumo: eu entendo que todos somos batizados no Espírito quando deixamos Jesus Cristo ser Senhor e Salvador verdadeiramente de nossas vidas. Para algumas pessoas, isso pode ocorrer com manifestações sobrenaturais; para outras, não. Posteriormente, alguém pode ser ungido no Espírito, podendo ou não ter manifestações sobrenaturais. Lembre-se novamente da definição de unção do Espírito Santo: um derramar da presença de Deus que providencia maior sensibilidade espiritual; graça (para servir a Deus e a outros); e poder. Esse poder pode ser de convicção, de ousadia, de habilidade de testemunhar, de confiança e de coragem. Pode ou não incluir sinais especiais, como línguas, profecias, cair no Espírito etc. Geralmente, é uma experiência profundamente emocional e espiritual, mas não fica apenas na experiência mística: leva a pessoa a servir a Deus e a outros de uma forma que ultrapassa o que fez no passado.

A UNÇÃO OU BATISMO DO ESPÍRITO SANTO NO ANTIGO TESTAMENTO

     O Antigo Testamento indica que o Espírito do Senhor veio sobre as seguintes pessoas:

A- Artistas: Bezalel e, por extensão, Aoliabe e sua equipe foram ungidos para desenvolver os artífices do tabernáculo (Ex 3:1-6; 35:30-35; 36:1,2).

B- Anciãos: Deus mandou Moisés selecionar setenta anciãos para o ajudar. "Então o Senhor desceu na nuvem e lhe falou; e, tirando do Espírito que estava sobre ele (Moisés), o pôs sobre aqueles setenta anciãos; quando o Espírito repousou sobre eles, profetizaram; mas depois nunca mais" (Nm 11:25-30).

C- Juízes: Deus levantou juízes e os ungiu para liderar Seu povo. A Bíblia não fala explicitamente de cada juiz ser ungido no Espírito, mas indica isso quanto a Otniel (Jz 3:9-11), Gideão (Jz 6:34), Jefté (Jz 11:29) e Sansão (Jz 15:14). Quando receberam a unção do Espírito, os primeiros três receberam poder para comandar os guerreiros de Israel e julgar com sabedoria. Gideão é o caso mais dramático, em que um covarde e temeroso muda para uma pessoa corajosa e confiante de que Deus poderia salvar seu povo com apenas 300 homens. No caso de Sansão, a unção ocorreu repetidas vezes, ajudando-o direta ou indiretamente a ter vitórias sobre os filisteus (Jz 13:25; 14:6,19; 15:14). A vida de Sansão nos ensina que ser ungido não é garantia alguma contra o pecado. Sansão acabou se entregando a uma prostituta (Jz 16:1) e depois a uma mulher filistéia, Dalila, que o levou à derrota (Jz 16:4-22).

D- Reis: Samuel ungiu Saul com azeite, dizendo: "Não te ungiu, porventura, o Senhor por príncipe sobre a sua herança, o povo de Israel?" (I Sm 10:1). "O propósito da unção de Saul foi: dedicá-lo a Deus para a tarefa especial à qual foi vocacionado e conferir-lhe graça eficaz e dons, para a tarefa que Deus lhe atribuíra. O ungido do Senhor veio a ser um termo comum para o rei de Israel (26:9; 12:3; Lm 4:20). O Rei supremo ungido por Deus é Jesus, o Messias (hebreu Mashiah, "o Ungido"), a quem Ele ungiu com o Espírito Santo (Jo 1:32,33). Portanto, todos os seguidores de Jesus precisam ser ungidos com o mesmo Espírito Santo (II Co 1:21; I Jo 2:20) como sacerdotes e reis, segundo o novo concerto (I Pe 2:5,9)."

     Após ungir Saul com óleo, Samuel profetizou detalhadamente sobre os acontecimentos desse dia, incluindo o derramamento do Espírito: "Nesse momento o Espírito do Senhor virá poderosamente sobre você, e você profetizará com eles e se sentirá uma pessoa diferente, e agirá como se fosse uma pessoa diferente. Desse momento em diante, as decisões que você tomar devem estar sempre de acordo com o que pareça melhor segundo as circunstâncias, pois o Senhor guiará você" (I Sm 10:6,7). Aconteceu como Samuel profetizou (I Sm 10:9-13). O Espírito veio sobre Saul nesse dia e também em outros momentos especiais, como na ocasião em que ele precisava mobilizar os exércitos de Israel (I Sm 11:6,7).

     Desafortunadamente, como comentamos no caso de Sansão, a unção do Espírito não é garantia contra o pecado e o afastar-se de Deus. Saul se exaltou, tornando-se rebelde e obstinado (I Sm 15:22,23). Deus teve que tirar Seu Espírito de Saul e dá-lo ao futuro rei, Davi. Pior ainda, no lugar do Espírito de Deus, veio um espírito maligno que atormentava Saul (I Sm 16:13,14,23).

     Davi, o ungido do Senhor, se expressava assim: "O Espírito do Senhor fala por meu intermédio, e a sua palavra está na minha língua" (II Sm 23:1,2). Tanto Davi como Saul pecaram e se afastaram de Deus. A diferença entre eles é o quebrantamento do coração de Davi e o pedido para que Deus renovasse Seu Espírito dentro dele (Sl 51:10-12).

E- Profetas: Às vezes, essa unção foi coletiva, num êxtase contagioso (I Sm 10:5,9-13; 19:20-24). Outras vezes, foi para os profetas denunciarem com poder divino a rebelião do povo de Deus (Ne 9:30; Mq 3:8; Zc 7:12 e os livros dos profetas maiores e menores). Nos profetas maiores, o Espírito de Deus veio sobre eles repetidas vezes, através de anos ou décadas, dando-lhes profecias que foram colocadas nos livros que trazem seus nomes (Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel). Tais profetas tiveram repetidas experiências de ser ungidos pelo Espírito de Deus, tendo diversas visões da glória dEle e, em outros momentos, experimentando o Espírito apoderar-se deles.

F- Guerreiros: Amasai foi ungido para falar profeticamente sobre uma aliança de paz (I Cr 12:18).

G- Sacerdotes e outros líderes religiosos: Muitas vezes, a unção foi evidente por meio de profecia, como no caso de Zacarias, filho do sacerdote Jeoiada (II Cr 24:20). Deus mandou que Arão e todos os seus filhos fossem ungidos com óleo. Ser ungido com óleo não quer dizer necessariamente ser ungido pelo Espírito, mas a unção com óleo foi uma expressão física de uma realidade espiritual: a realidade de ser escolhido por Deus para Seu serviço e, então, ser consagrado e santificado para isso (Ex 28:41; 29:7; 40:13-15).

A UNÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NO NOVO TESTAMENTO

     João Batista foi ungido desde o ventre (Lc 1:15) e nessa mesma época sua mãe foi cheia do Espírito Santo, como também seu pai, tendo os dois manifestado o dom de profecia (Lc 1:41-45, 67-79).

     Na pessoa de Jesus, encontramos Cristo, que quer dizer Ungido. A palavra grega christos foi aplicada no Antigo Testamento a todos os ungidos com óleo santo, especialmente ao sumo sacerdote. No começo de seu ministério, em seu batismo, Jesus foi ungido pelo Espírito Santo com uma manifestação sobrenatural: a voz de Deus confirmando sua identidade (Mt 3:16,17; Mc 1:10,11).

     A seguir, Jesus, cheio do Espírito (Mt 4:1), foi guiado pelo mesmo Espírito (Lc 4:1) para a prova da tentação no deserto. Após essa prova, Jesus aplicou a profecia messiânica de Isaías a si mesmo: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. . ." (Lc 4:18). Essa unção veio no começo de Seu ministério, equipando-o para o desenvolvimento dele.

     Após sua ressurreição, Jesus pediu aos discípulos para não começarem seu ministério até receberem a mesma unção. ..."fiquem na cidade (Jerusalém) até serem revestidos do poder do alto" (Lc 24:49). Ele elaborou isso, dando-lhes esta ordem: "Não saiam de Jerusalém, mas esperem pela promessa de meu Pai, da qual lhes falei. Pois João batizou com água, mas dentro de poucos dias vocês serão batizados com o Espírito Santo..., receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra" (At 1:4,5,8).

     Pentecostes é o relatório da vinda do Espírito Santo, o batismo do Espírito Santo pelo qual a igreja recebeu maior sensibilidade espiritual, graça e poder. Claramente, houve manifestações sobrenaturais: um som do céu, um vento que encheu a casa, línguas de fogo repousando sobre cada um deles "e todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem" (At 2:4).

     O Novo Testamento quase não usa a frase "unção do Espírito". Como nessa passagem, geralmente, usa a frase "ser cheio do Espírito" ou algo parecido ("ser revestido de poder", "do meu Espírito derramarei", "veio sobre eles o Espírito Santo" etc.). Eu vejo duas interpretações para a frase "ser cheio do Espírito". Quando é acompanhada por manifestações sobrenaturais, como em Atos 2, normalmente eu interpreto como uma unção do Espírito. Quando não é acompanhada de nenhuma manifestação sobrenatural ou ação especial, geralmente eu interpreto como a plenitude do Espírito, que deve ser o andar normal do crente (Ef 5:18-21). Foi esse estilo de vida que os apóstolos visaram quando pediram que a igreja procurasse sete homens cheios do Espírito e de sabedoria para serem os primeiros presbíteros-servos da igreja (At 6:3). Fica claro que pelo menos dois deles também tinham uma unção especial: Estêvão (At 6:8,55) e Filipe (At 8:6,7).

     Temos muitos exemplos no livro de Atos da unção do Espírito. Sabemos que Pedro, cheio do Espírito, respondeu com sabedoria e ousadia aos principais do povo e anciãos de Israel que estavam julgando a ele e a João (At 4:8). Logo após, Pedro e João se reuniram com a igreja e pediram que Deus se manifestasse de forma sobrenatural. "Depois de orarem, tremeu o lugar em que estavam reunidos; todos ficaram cheios do Espírito Santo e anunciavam corajosamente a palavra de Deus" (At 4:31). Aqui, vemos uma unção coletiva que mobilizou a igreja toda a testemunhar de Cristo. Outros exemplos de unção coletiva incluem a chegada do Espírito Santo aos Samaritanos (At 8:14-18), aos gentios, a Cornélio e sua casa (At 10:44-47; 11:15-17) e aos doze homens de Éfeso (At 19:1-7). Junto com as experiências de Pedro, Paulo nos dá outro exemplo de alguém que experimentou mais de uma vez a unção do Espírito (At 9:17; 13:9).

      Resultados da unção do Espírito Santo.

A. Ousadia e eficácia no testemunho e na pregação (At 1:8; 2:14-41; 4:31,33; 6:8-10; Rm 15:18,19; I Co 2:4).

B. Sinais e maravilhas (At 6:8; Rm 15:18,19; I Co 2:4).

C. Mensagens proféticas e louvores (At 2:4,17; 10:46; I Co 14:2,15).

D. Maior sensibilidade contra o pecado que entristece o Espírito Santo, maior busca da retidão e percepção mais profunda do juízo divino contra a impiedade (Jo 16:8; Ef 4:30).

E. Uma vida que glorifica Jesus Cristo (Jo 16:13,14; At 4:33).

F. Visões da parte do Espírito (At 2:17,18).

G. Manifestação dos vários dons do Espírito Santo (I Co 12:4-10; At 2:4; 10:44-46; 19:6).

H. Maior desejo de orar e interceder (At 2:42; 3:1; 4:23-31; 6:4; 10:9; Rm 8:26).

I. Maior amor à Palavra de Deus e melhor compreensão dela (Jo 16:13; At 2:42).

J. Uma convicção cada vez maior de Deus como nosso Pai (At 1:4; Rm 8:15; Gl 4:6).

L. Submissão aos que estão em autoridade sobre nós (Ga 5:18-21).

     Repetidas vezes, no Antigo e no Novo Testamento, a imposição de mãos acompanhava a unção do Espírito. No tópico a seguir, sugiro que a imposição de mãos é algo mais do que um simples ritual humano ou religioso.

A IMPOSIÇÃO DE MÃOS

     A imposição de mãos é a transmissão da graça de Jesus Cristo por meio de uma ou mais pessoas, chamadas e autorizadas a ministrar em oração, por outra pessoa, impondo-lhe suas mãos. Em alguns casos, como em uma investidura, autoridade é transmitida. Outras vezes, é dado um poder espiritual. O Senhor é a fonte desse poder, mas, de alguma forma, os seres humanos estão envolvidos.

     Veja os seguintes casos:

1. "Mas Israel estendeu a mão direita e a pôs sobre a cabeça de Efraim que era o mais novo, e a sua esquerda sobre a cabeça de Manassés.....” Israel abençoou os filhos de José de tal forma que os tornou grandes povos, duas das doze tribos de Israel (Gn 48:14-20).

2. "E (Moisés) lhe impôs as mãos (sobre Josué) (Nm 27:23).

3. "E (Jesus) não pôde fazer ali nenhum milagre, exceto impor as mãos sobre alguns doentes e curá-los (Mc 6:5).

4. Jesus "tomou as crianças nos braços, impôs-lhes as mãos e as abençoou "(Mc 10:16).

5. "Apresentaram estes homens aos apóstolos, os quais oraram e lhes impuseram as mãos" (At 6:6).

6. "Então Pedro e João lhes impuseram as mãos, e eles receberam o Espírito Santo" (At 8:17).

7. "Ananias... impôs as mãos sobre Saulo e disse: Irmão Saulo, o Senhor Jesus... enviou-me para que você volte a ver e seja cheio do Espírito Santo" (At 9:17).

8. "... havia profetas e mestres... Assim, depois de jejuar e orar, impuseram-lhes as mãos (a Barnabé e Saulo) e os enviaram (para serem missionários)" (At 13:1-3).

9. "Não negligencie o dom que lhe foi dado por mensagem profética com imposição de mãos dos presbíteros" (I Tm 4:14).

     Vários resultados acontecem pela imposição de mãos ou no momento em que isso é feito:

1. Servos de Deus são consagrados para liderança e serviço (Nm 27:15-23; Dt 34:9; At 6:1-6; 13:1-3; I Tm 4:14).

2. Pessoas são abençoadas (Gn 48:14-20; Mt 19:13-15; Mc 10:13-16).

3. Pessoas são curadas (Mc 6:1-6; 16:16-18; Lc 4:40-41; At 9:17,18; 28:8).

4. Pessoas são libertas de demônios (Mc 16:16; Lc 4:40-41; 13:10-13).

5. Pessoas recebem o Espírito Santo, a unção do Espírito (Dt 34:9; At 8:17-20; 9:17,18; 19:6) ou um dom especial do Espírito (I Tm 4:14; II Tm 1:6).

     As duas últimas passagens são especialmente interessantes. Paulo diz a Timóteo: "Não negligencie o dom que lhe foi dado por mensagem profética com imposição de mãos dos presbíteros" (I Tm 4:14).

     E na segunda carta a Timóteo, acrescenta: "Por essa razão, torno a lembrar-lhe que mantenha viva a chama do dom de Deus que está em você mediante a imposição das minhas mãos" (II Tm 1:6). Os dons são dados pelo Espírito Santo, mas parece que, às vezes, os homens servem como canal para tal dádiva.

     A imposição de mãos deve ser feita com seriedade. Requer autoridade divina, consagração e motivação certa (At 8:17-25). Parece que uma identificação e ligação acontecem entre as pessoas envolvidas na imposição de mãos. Paulo adverte Timóteo: "Não se precipite em impor as mãos sobre ninguém e não participe dos pecados dos outros. Conserve-se puro" (I Tm 5:22).

DICAS PRÁTICAS PARA EQUIPES DE COMUNHÃO – CASA DE DEUS/CASA DE ORAÇÃO

A. Cada equipe deve pedir que Deus providencie os dons de que ela precisa. Seja especifico, refletindo sobre todos os dons e a diferença que cada um poderia fazer para a equipe. Deus pode dar os dons que a equipe precisa para alguns de seus membros ou acrescentar novos membros que tenham esses dons.

B. Cada equipe deve pedir que Deus providencie a unção de que ela precisa. Às vezes, Deus derrama Seu Espírito quando as pessoas nem estão esperando. Outras vezes, Ele age com base nas orações sinceras, intensas e às vezes prolongadas de Seus filhos. Jesus nos chamou a pedir insistentemente (Mt 7:7-11; Lc 11:5-13), sabendo que "o Pai de vocês, que está nos céus, dará coisas boas aos que lhe pedirem!" (Mt 7:11). “Se vocês, apesar de serem maus, sabem dar boas coisas aos seus filhos, quanto mais o Pai que está no céu dará o Espírito Santo a quem o pedir!" (Lc 11:13). 

     Muitos recebem a unção do Espírito como resposta à oração (At 1:14; 2:1-4; 4:31; 8:15, 17).

C. Precisamos manter acesa a chama da unção do Espírito. Ela permanece na vida do crente mediante a oração (At 2:42; 4:31), o testemunho (At 4:31,33), a adoração no Espírito (Ef 5:18,19) e uma vida santificada (já que o Espírito é o Espírito Santo). Por mais poderosa que seja a unção, se ela não for expressa numa vida de oração, de testemunho e de santidade, logo se tornará numa glória desvanecente.

     Em resumo, tanto o Antigo como o Novo Testamento indicam a importância da unção do Espírito para todos os discípulos de Jesus. Já que todos somos chamados a sermos profetas de Deus, uma vez que sabemos qual nosso chamado, podemos pedir que Deus nos dê os dons e unção necessários. 

     Muitas vezes, a graça ou unção de que precisamos virá por meio da imposição de mãos de servos ungidos do Senhor. Se nunca experimentamos a unção do Espírito, devemos fazer três coisas: 

A. Viver uma vida consagrada, dedicada a Jesus por meio da Palavra de Deus e da oração; 

B. Desenvolver nosso chamado e ministério no contexto de uma igreja, que vive a autenticidade das escrituras, e esta submisso a liderança que Deus constituiu sobre nós;

C. Procurar a unção do Espírito/batismo para o ministério que Ele nos está dando. Para os que fazem isso, o Pai tem o maior prazer em dar-lhes os desejos de seus corações (SI 37:4; Lc 11:9-13).

O ESPÍRITO SANTO QUE DÁ PODER E CAPACITA

     O Espírito Santo mora em nós e nos dá vida. Mas não somente isso. Além de morar em nós e nos dar vida, Ele também nos equipa para trabalhar no Reino de Deus e para derrotar os poderes das trevas como soldados de Cristo. Em geral a Bíblia usa a preposição SOBRE para descrever a forma em que Ele nos dá esse poder. As referências bíblicas a este aspecto da obra do Espírito Santo excedem aquelas que têm relação com o fato de que o Espírito mora EM nós.

     O Espírito repousa sobre a pessoa (Is 11:2). Se apodera de, flui sobre, vem sobre, se derrama sobre (I Sm 10:6; 19:20,23; Is 32:15; Ez 39:29; Joel 2:28,29; Zc 12:10; At 2:33; 10:44). A expressão CHEIO DE também parece referir-se, na maioria dos casos, à presença do Espírito que dá poder e capacita.

     Recordemos que, em Ex 31:3, Bezaleel pôde fazer um trabalho difícil porque estava cheio do Espírito. Miquéias recebeu poder quando o Espírito o encheu: "Quanto a mim, estou cheio do poder do Espírito do Senhor, assim como de justiça e de coragem " Mq 3:8. Como nos recorda Zacarias, a obra de Deus se faz "Não com exército, nem com força, mas como meu Espírito." (Zc 4:6)

     O Espírito Santo vem sobre homens e mulheres para capacitá-los a fazer a obra do Reino. Isaías predisse o dia quando Deus iria derramar "águas sobre o solo sedento e correntes sobre a terra" e derramaria seu Espírito sobre a sua descendência e posteridade (Is 44:3) O Espírito deveria estar sobre o seu servo ungido a fim de CAPACITA-LO para cumprir com as muitas tarefas do Reino: "O Espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me consagrou; me enviou a dar boas notícias a aliviar aos aflitos a anunciar liberdade aos presos..." e mais (Is 61:1,2).

No amor em Cristo,

Pr. Dalton Ramos

Versículo do Dia

Jo 14:17

"O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós. "



by Estudo Bíblico

Família do Reino de Deus

158 - HONRA A TEU PAI E A TUA MÃE, PARA QUE SE PROLONGUEM OS TEUS DIAS NA TERRA QUE O SENHOR, TEU DEUS, TE DÁ.

 (Êxodo 20:12)      Para viver em paz na Terra Prometida, os Israelitas precisavam respeitar a autoridade e formar famílias sólidas. Mas o que significa honrar os pais? Significa falar bem...

22 - A TEIA - MURO DE FÉ

      Uma vez, certo homem foi perseguido por vários malfeitores que queriam roubá-lo e matá-lo.      Na sua fuga, o homem entrou numa gruta, os malfeitores começaram a...

189 - RETROCEDER NUNCA, DESISTIR JAMAIS!

     Estas palavras devem nos acompanhar para sempre em nossa vida cristã. São estas as palavras de um ator cinematográfico, mas que em sua vida diária as evidências não...

217 - DEUS DIZ "ESPERE"

  “[Seus] passos… são ordenados pelo Senhor...” Salmo 37:23      O que fazer quando as portas que você pensou terem sido abertas por Deus se fecham estrondosamente? Você para e pensa:...

170 - "VIVENDO EM HARMONIA"

Romanos 15 1 - Mas nós que somos fortes devemos suportar as fraquezas dos fracos e não agradar a nós mesmos. 2 - Portanto, cada um de nós agrade ao seu próximo...