Bem-vindos à Igreja Evangélica Comunidade Encontros com Jesus

14 - O REMANESCENTE: UMA DOUTRINA ALARMANTE


"Isaías clamava a cerca de Israel: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo". Romanos 9:27

Quero falar sobre uma doutrina na Bíblia que é muito problemática e alarmante. Tenho muito medo de que a Bíblia seja o livro mais alarmante que conhecemos. Antes de explicar o que quero dizer, gostaria que você lesse as palavras de um hino.

Teu Livro é qual jardim, Senhor, de flores sem iguais. Belezas mil encontro ali, promessas divinais. A Bíblia qual tesouro é, de joias de valor. Somente as acha pela fé, o bom pesquisador.

Que a Bíblia santa eu possa amar, e encontre a paz assim. E desse divinal farol, a luz resplenda em mim. Que o Livro santo possa ser espada sempre à mão, Que vença o inimigo vil em toda tentação. A Bíblia mostra ao viajor o rumo a perseguir.

E, mesmo se ele sofre em dor, o anima a prosseguir. Um dia, quando enfim no lar, morarmos com Jesus,
Mil graças havemos de cantar; ao dom de Sua Luz.


     Tudo isso é verdade. Gosto muito de ouvir essa canção e gosto de cantá-la. No entanto, tenho um pouco de medo de que essa seja a atitude que tenhamos com relação às Escrituras - tratá-la como se fosse uma jóia de valor para ser usada no pescoço ou no dedo, ou como um acessório brilhante, para uma ocasião importante, ou mesmo como um perfume. Ela é tudo isso e muito mais e, na nossa elegância simples, temo que não estejamos deixando a Palavra de Deus ter a importância devida para nós.

    Seja o que for que os mestres ou os religiosos atuais possam estar dizendo, a doutrina é ensinada claramente aqui nas Escrituras, o que algumas pessoas têm interpretado mal e distorcido para a própria destruição delas. Pois dizem: "Nós somos o povo", mas me recuso a rejeitar a doutrina porque alguém a distorceu para a sua própria destruição. Não tenho esperanças para vocês nem palavras bonitas, mas o que tenho é uma doutrina terrível que fere, incomoda e entristece o meu espírito. Essa é a doutrina do remanescente.

Só um fragmento

    O que é a doutrina do remanescente? É simplesmente isso: neste mundo da raça humana cega, caída e pecadora, seja de qualquer época, a maioria esmagadora está perdida e, quando digo perdida, não estou dizendo que erraram o caminho, ou chegaram próximo do alvo, ou que são menos do que queriam ser, ou que fracassaram ao realizar os seus sonhos. Quando digo perdido, quero dizer: alienados de Deus e inimigos dele, sem perdão, sem vida e sem esperança.

    O que essa doutrina do remanescente quer dizer? "Remanescente" significa um pequeno fragmento, um vestígio sobrevivente. Significa que alguma coisa ainda permanece quando a parte maior está em algum outro lugar. O texto de Romanos 9:27 lida com Israel, mas mostra claramente que a doutrina se aplica à raça humana inteira, assim como à Igreja. Isso aconteceu com as nações, antes de Abraão; isso aconteceu com Israel, depois de Abraão; e isso acontece com a Igreja, desde o Pentecostes. Estou assustado porque, desde o Pentecostes, um número enorme de pessoas que se denominam cristãs - a grande maioria - é nominal e somente o remanescente é salvo.

    Olhe alguns exemplos na Bíblia. Jesus disse: “Assim como foi nos dias de Noé, será também nos dias do Filho do Homem" (Lucas 17:26). De acordo com as Escrituras, Noé achou graça aos olhos do Senhor, e outros sete membros da sua família foram salvos dentre uma população inteira. Não sei qual era a população, mas sei que, na época do Dilúvio, houve oito pessoas salvas dentre uma população inteira e sei que está escrito que, como foi nos dias de Noé, assim será nos dias da vinda do Filho do Homem.

    Alguém pode dizer: "Você está Levando esse assunto muito a sério. Não se lembra quando Elias se sentiu assim e disse: 'Ô, Senhor, eu fiquei só', e Deus respondeu: 'Anima-te, Elias; tenho novidades para você. Conservei em Israel sete mil, todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e todos os lábios que não o beijaram". Parece ser muita gente. Não é encorajador saber que, em Israel, sete mil judeus verdadeiros não se ajoelharam diante de Baal?

    Permita-me fizer uma pequena especulação. Suponhamos que a população de Israel naquela época fosse de sete milhões. Acho que essa é uma conta bem moderada. Isso significaria que, um décimo de 1% não dobrou os joelhos diante de Baal e que todo o resto o fez. Significa um em um milhão. Se tivesse de levar em consideração o número de mil judeus naquela época, 999 deles estariam secretamente se prostrando diante de Baal para não ter problemas e apenas um homem permaneceria corajosamente firme. Mas, para sermos absolutamente justos, vamos cortar a população de Israel pela metade e dizer que havia três milhões e meio de pessoas. Assim, a proporção é de um em 500. Toda vez que visse uma sinagoga ou um local com 500 judeus lendo a Torá ou ouvindo o cântico dos sacerdotes, você teria 499 seguindo a Baal secretamente, e apenas um que seria salvo.

    Lembre-se, na primeira vinda de Cristo, houve poucos que o reconheceram. Damos como certo que, quando o Messias vier, iremos reconhecê-lo, assim como Israel o fez.

    Eles acreditaram no mesmo que Sansão acreditou, quando adormeceu no colo de Dalila. Ele acreditou que tinha um propósito na vida, que tinha alguma experiência religiosa e, portanto, não havia com o que se preocupar. Mas, quando acordou, descobriu que havia sido capturado, seus olhos vazados, virava um moinho, e os filisteus o usavam para diverti-los em nome de um falso deus. Ele confiou em si mesmo, algo que é sempre ruim e perigoso de se fazer.

    Ou confiamos em nós mesmos e temos uma falsa paz, ou ficamos perturbados, oramos a respeito e encontramos a verdadeira paz. A maioria dos crentes, hoje, confia em si mesmos e tem uma falsa paz. Se fizessem o que a Bíblia ensina, ficariam incomodados e assustados a respeito de si mesmos, iriam a Deus com uma Bíblia aberta e deixariam a Palavra cortá-los em pedaços, juntá-los novamente e, então, dar-lhes a paz. E a paz que tiverem quando cortados pelo Espírito Santo e pela Espada do Espírito - essa paz, então - é a paz legitima.

    Existem dois tipos de tranquilidade e não se esqueça disso. Bem, talvez existam três tipos agora. Existe aquele tipo que você compra na farmácia e existe o tipo que você tem por confiar em si mesmo e acreditar nas coisas boas ao seu respeito, que não são verdade. Isso traz certa tranquilidade à mente.

    Então, existe o tipo de tranquilidade que vem após uma perturbação que estremece a sua alma desde a sua fundação e leva o homem ou a mulher de Deus a clamar com uma Bíblia aberta, dizendo: "Sonda-me, é Deus, e conhece os meus coração, prova-me e conhece os meus Pensamentos" (Salmos 139:23). Assim, quando Deus faz isso, temos uma experiência com Ele que nos dá uma tranquilidade firmada na Rocha, mas, para a maioria dos cristãos evangélicos hoje, seus líderes vão para fora para trazer-lhes tranquilidade.

A Igreja tranquilizada

    A primeira oferta do Senhor não é, de forma alguma, a tranquilidade. Primeiro, o Senhor nos oferece libertação, perdão, renovação e a oportunidade de tomar a decisão certa e, depois disso, vem a tranquilidade. Mas, agora, estamos mercadejando a tranquilidade, vendendo-a como se fosse sabonete e pedindo ao nosso povo, em nome de João 3:16, que venha e adquira a tranquilidade. Assim, temos uma Igreja tranquilizada que está gozando imensamente dos banquetes, diversões, lanchinhos e comunhão. Depois, canta ao Senhor: "Teu Livro é qual jardim, Senhor".

    Só chamo a atenção para isso porque há um perigo de fazermos da Palavra de Deus algo que nos dê tranquilidade. Nas alas da igreja, aquelas que são deixadas abertas ao público o dia inteiro, você encontrará pessoas entrando e sentando-se. Elas fazem isso, como o poeta disse: "Para convidar a sua alma e retirar seus pensamentos das coisas de casa e de tudo o que seja externo e se aquietar".

    Comerciantes e publicitários fazem isso, assim como os místicos da Índia e de Burma. Isso não é, necessariamente, algo cristão. É uma coisa boa, mas não é o suficiente. Equipamos nossos cultos para tranquilizar as pessoas e paralisá-las. Temos de ficar assustados com essa doutrina do remanescente. Não podemos nos permitir confiar em nós mesmos.

    Paulo estava incomodado com isso e escreveu: "Mas esmurro o meu corpo e o reduzo à escravidão, para que, tendo pregado a outros, não venha eu mesmo a ser desqualificado" (I Coríntios 9:27). Conheço pregadores que pregaram a vida inteira e acabaram seus dias contando piadas grosseiras - tornaram-se velhos sujos e obscenos. É totalmente possível que ensinemos na escola bíblica, sejamos membros da liderança, cantemos no coral e façamos parte do culto nas igrejas e, finalmente, descubramos que somos desqualificados e nunca fomos o remanescente. Isso é algo assustador, mas não me desculpo por assustá-lo. Temo não estarmos assustados o bastante. Temos de nos perturbar com isso, pois está resumido no texto: "mas, relativamente a Israel, dele clama Isaías: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo” (Romanos 9:27).

    Houve alguns velhos amigos de Deus durante a época de Jesus, mas, quando pensamos que só a população de Jerusalém na época da Páscoa era de um milhão e que, no Pentecostes, também havia um milhão de pessoas na cidade, mas somente três mil se converteram, dizemos: "Que colheita enorme era aquela". Bem, três mil pessoas, de um total de um milhão, não é uma colheita tão grande assim, em minha opinião.

    Fico imaginando se já houve uma época em que a colheita tenha sido grande. Disseram que o missionário Escocês, John G. Paton (1824-1907) foi a Novas Hébridas (atual nação de Vanuatu pacifico sul) e lá não encontrou um único cristão, mas, quando foi embora, não havia um único pagão. Sempre tive uma dúvida quando li essa declaração, porque ela não está de acordo com a doutrina do remanescente, segundo a qual "ainda que o número dos religiosos seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo". Não é que eles não pudessem ser, não significa que Deus não os queira salvos, significa apenas que não o são.

    Quando Cristo veio, havia pastores e magos. Ouvimos a respeito desses amigos de Deus e nos alegramos por eles, mas a questão é que eram uma porcentagem tipicamente pequena do todo.

    Bem, quanto à segunda vinda de Jesus, Ele diz: “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriara de quase todos" (Mateus 24:12). Não diz apenas o amor de muitos, mas todo estudante de grego dirá a mesma coisa. Existe um artigo definido nesse versículo: "o". A capacidade específica de amar esfriará.

    Jesus disse: "Contudo, quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?". (Lucas 18:8). Ele não disse que não achará fé, mas disse: "Achará, porventura, fé na terra?" Assim, na segunda vinda de Cristo, será como nos dias de Noé e, naqueles dias, Noé, e sete pessoas, foram salvas das águas pela arca. O resto da população morreu afogado.

    Se você ainda quer mais suporte para a doutrina, leia a história da Igreja. Um pequeno fragmento, um vestígio sobrevivente que sempre manteve a fé, enquanto os outros confiaram em si mesmos.

Conhecido pelos frutos

    Você sabe o que está errado conosco como igreja hoje? Estamos confiando em nós mesmos. Estamos presumindo algo que pode não ser verdade; presumindo algo que tenha fundamento na esperança desejosa e não, na sã experiência bíblica, em muitos casos. Não fomos incomodados o bastante. Não permitimos que Deus arasse sulcos em nossas costas. Não ousamos ir diante de Deus para sermos examinados. Temos medo do que Deus irá encontrar e preferimos esperar. Portanto, esperamos e nos acomodamos. Sempre houve um pequeno remanescente que está no meio de todo o resto. Um milhão pode desejar e adorar com os lábios, mas somente um pequeno fragmento adora verdadeiramente com o coração de uma forma que honra e agrada a Deus.

    Não precisamos imaginar que, quando vemos a porta de uma igreja aberta e multidões espalhadas pela calçada, isso indique grande espiritualidade ou um grau elevado de santidade. Siga-os até em casa. Siga-os por meio quarteirão e veja como vivem. Essa é a forma de dizer: “Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis" (Mateus 7:20).

    Peça-os para liderar a oração. Anuncie uma reunião de oração e veja como irão embora rapidinho. Anuncie um banquete e veja como virão correndo. Na Igreja de Deus, os sinais de "pare e siga" são esses: Para dizer siga, anuncie "banquete"; para dizer pare, anuncie "reunião de oração". A Igreja de Deus faz isso, e achamos graça, mas na verdade, é algo assustador. Não quero chegar diante do Senhor tendo levado as pessoas a se sentirem aliviadas por um falso senso de segurança espiritual.

    Leia a história da Igreja e veja os fragmentos ou remanescentes que viveram em meio a tudo isso. Leia sobre os Waldensians, os Amigos de Deus, os Irmãos da Vida Comum e como eram em número pequeno, mas quantos foram à igreja. É possível adorar a Deus com os nossos lábios e não adorar a Deus com a nossa vida. Se a sua vida não adora a Deus, seus lábios também não.

    Fico incomodado com todas as pessoas que vejo cantando ALELUIA de Handel, principalmente durante a época da Páscoa, sem ter a mínima noção a respeito da música. Elas se levantam e cantam: "Vinde a Ele, vinde a Ele", e não têm a menor ideia do que isso signifique. Ao escrever a música, Handel disse: "Quando terminei, pensei ter visto o céu aberto e todos os anjos de Deus reunidos". Foi assim que ele se sentiu, mas muitos de nós a cantamos e a desfrutamos como uma simples música. Podemos ir à igreja, cantar os hinos e desfrutar da nobreza da música, somente como um alívio para o rock pesado.

    Leia sobre o remanescente 600 anos antes do nascimento de Cristo, em Ezequiel 9:1-6. Dizemos: "Comece pelo mundo, Senhor, comece pelo mundo e destrua aqueles incrédulos sem Deus". Deus responde: "Começai pelo meu santuário".

    Dizemos: “Desça até a esquina onde os homens, em quartos mal iluminados, estão sentados bebendo cerveja; vá até lá, com as armas destruidoras na sua mão". Deus diz: "Comece pelos degraus da minha Igreja. Comecem pelo meu santuário".

    Dizemos: "Vá até a igreja onde os pastores negam a Bíblia e não pregam nada além de poesia, prosperidade e fazendo o reino para si". Deus diz: "Começai pelo meu santuário".

    Deus também diz: "Cuidado, procure a marca na testa”. Esta marca indelével. Ele enviou o homem vestido de linho com o estojo de escrevedor à cintura, com tinta indelével e disse: "Marcai-os, marcai-os".

    "Quais deles devo marcar? Os que ficam de pé e fazem orações mais longas? Os que dão mais dinheiro para missões?"

    "Não, não", responde Ele, "este não é o teste. Aqui está o teste no dia da corrupção: aqueles que suspiram e gemem por todas as abominações que se cometem no meio de Jerusalém, (na igreja)".

    Isto é tudo o que têm de fazer. Algumas coisas são como uma onda do mar. Você pode ficar em pé e tentar enfrentá-la, e o próprio Paulo não poderia afastá-la, pois ela o afundaria, mas você não tem de ter a marca do remanescente na sua testa, você não tem de ser bem sucedido nem popular. Você tem apenas que suspirar e gemer pelas abominações que estão acontecendo no mundo hoje.

    Não posso impedir que as pessoas façam o que estão fazendo, mas pelo menos, posso estar de luto, pois elas não irão parar e eu farei o seguinte: vou deixar que minhas lágrimas reguem os passos daqueles que irão extraviar-se. Se as igrejas não voltarem aos padrões do Novo Testamento e adorarem ao Senhor nosso Deus na beleza da sua santidade e caso eu não consiga persuadi-las a isso, nessa terrível hora de crise, pelo menos posso chorar pelas igrejas que não voltarem e posso suspirar, se não puder chorar.

    Não sei o que o futuro nos aguarda, mas de uma coisa eu sei: em vez de trair as ovelhas de Deus, em vez de mentir, enganá-las, mantê-las agitadas e provocá-las com todo tipo de assuntos populares, em vez de extrair de uma reportagem o meu material, pregarei a Palavra para as cadeiras vazias e suspirarei e gemerei pelas abominações que estão no mundo.

    Assim, Deus diz: "Comecem pelo meu santuário. Então, começaram pelos anciãos que estavam diante da casa" (Ezequiel 9:6,7). Parece que os jovens são o problema. Eles estão cheios de lascívia e ideias loucas, mas as Escrituras dizem que comecem pelos anciãos que estavam diante da casa. "Estes velhos pilares da igreja", diz o Espírito Santo, começai por eles e: "Havendo-os eles matado, e ficando eu de resto, caí com o rosto em terra, clamei e disse: ah! Senhor Deus! Dar-se-á o caso que destruas todo o restante de Israel, derramando o teu furor sobre Jerusalém?" (Ezequiel 9:8).

    Se a Igreja evangélica, a igreja verdadeira, autêntica, não aceitar isto, então posso, pelo menos, suspirar e clamar a Deus por não aceitarem.

    Você tem a marca de um verdadeiro discípulo de Jesus Cristo - remanescente fiel – busque-a como a corça. Salmo 92:1,2.

Extraído de A. W. Tozer,

para uso exclusivo da Igreja Evangélica Comunidade Encontros Com Jesus,

no amor em Cristo,

Pr. Dalton Ramos


Versículo do Dia

Sl 19:14

"Sejam agradáveis as palavras da minha boca e a meditação do meu coração perante a tua face, SENHOR, Rocha minha e Redentor meu! "



by Estudo Bíblico

Família do Reino de Deus

118 - ASPECTOS DO SOFRIMENTO

     Era um dia quente de verão naquela cidade do interior do sul do Brasil. Mas apesar do calor a vida deveria seguir seu curso, normalmente. O jovem trabalhador...

115 - PAI NOSSO

     Se em minha vida não ajo como filho de DEUS, fechando meu coração ao amor.      Será inútil dizer: PAI NOSSO      Se os meus valores são representados...

214 - O FIM DO MUNDO E O NOÉ... (brasileiro)

     Um dia, o Senhor chamou Noé que morava no Brasil e ordenou-lhe:       - ANTES DE 21.12.2012, 6 meses antes, (NOVO FIM DO MUNDO) farei chover ininterruptamente durante...

197 - INCONSTÂNCIA

     Uma das mais sérias doenças do caráter é a inconstância. Inconstante é aquela pessoa que começa a fazer alguma coisa e nunca a conclui. Está sempre dando início...

25 - MUITO IMPORTANTE

     Um frequentador de Igreja escreveu para o editor de um jornal, e relatou a ele que não faz sentido ir à Igreja todos os domingos. Ele escreveu assim...